quinta-feira, 15 de abril de 2010

OS TIPOS PSICOLÓGICOS








OS TIPOS PSICOLÓGICOS


Os tipos psicológicos, criados por Jung, baseiam-se na maneira como o movimento da energia psíquica – LIBIDO – se processa em relação às pessoas, aos objetos, aos animais, às outras circunstâncias e condições do próprio ambiente, objetivando o entendimento das dificuldades ou facilidades nos nossos relacionamentos e no nosso modo de enfocarmos o mundo.
O modelo junguiano apresenta duas ATITUDES de personalidade e quatro FUNÇÕES de orientação.


As Atitudes:

As atitudes, extroversão e introversão, são as formas psicológicas de adaptação do indivíduo ao mundo, quer seja exterior ou interior. Elas não podem existir ao mesmo tempo na consciência, mas podem alternar-se. Assim sendo, um indivíduo pode ser extrovertido numa situação e introvertido em outra. Porém, uma dessas atitudes predominará, na vida do sujeito, por toda a sua existência.
Na extroversão, uma atitude objetiva, o indivíduo foca sua atenção no ambiente externo, adaptando-se com mais facilidade às situações do mundo exterior, pois se preocupa em inteirar-se com as coisas e com as pessoas.
Já na introversão, que é uma atitude subjetiva, esse direcionamento se dá para o mundo interior e para os seus processos internos, o que torna esse indivíduo introspectivo e retraído.









Características da extroversão:

• O movimento da libido se dá em direção ao mundo exterior.
• O objeto e a realidade exterior são de vital importância.
• Tem uma natureza saliente e franca.
• Adapta-se com facilidade às situações diversas.
• Tem medo “do que está dentro”.
• Gosta de viajar, encontrar novas pessoas conhecer novos lugares.
• Para o extrovertido, o introvertido é um chato e negativo.


Características da introversão:

• O movimento da libido se dá em direção ao mundo interior.
• A realidade interior é de vital importância.
• Tem natureza vacilante, meditativa e isolada.
• Recua diante das situações e está sempre na defensiva.
• As forças motivadoras vêm de fatores internos ou subjetivos.
• Considera o extrovertido fanfarrão e superficial.



As Funções:

As funções dividem-se em dois grupos:

Racionais - pensamento e sentimento – baseiam-se num processo reflexivo procurando avaliar e julgar internamente as suas relações com o mundo.

Pensamento (ar): É a função cujo processo associativo de idéias busca conceituar ou solucionar um problema. Portanto, trata-se de uma função extremamente intelectual . Os indivíduos pensamento são reflexivos, planejadores e julgam através da lógica

Sentimento (água): Sendo uma função avaliadora aceita ou da rejeita uma idéia, avaliando o sentimento agradável ou desagradável proporcionado por tal idéia. Os indivíduos sentimento são discriminatórios e reflexivos e tomam as decisões pelo julgamento de valores próprios como o certo ou o errado; o bom ou o mau.



Irracionais - sensação e intuição – são estados mentais que crescem através de estímulosatuantes no indivíduo, que percebe o mundo além da lógica e da razão.

Sensação (terra): A percepção do mundo se dá atravésdas experiências conscientes que estimulam os cinco sentidos, além das sensações do interior do corpo.

Intuição (fogo): É uma experiência imediata que não exige nehum julgamento e surge do nada. Os indivíduos vêem o que está no mundo interior, percebendo o mundo através do inconsciente.

Além disso, apresentam-se como :


A superior é aquela mais desenvolvida ou mais usada e está subordinada ao ego, enquanto que a inferior é inconsciente e, portanto mais livre e independente. Uma faz oposição à outra.


As funções auxiliares, sejam racionais ou irracionais, sempre diferem da função principal ou superior.




Os Tipos

1. Pensamento Introvertido:

Valorizam as idéias do ponto de vista do sujeito, não do objeto.
Interessam-se pela produção de idéias novas.
Facilmente se perdem no mundo da fantasia.
Não são práticos, são mais teóricos.
Não se deixam influenciar.

São: Pesquisadores; Matemáticos teóricos; Filósofos.
Função Inferior: Sentimento Extrovertido.


2. Pensamento Extrovertido:

Têm a vida governada pelo pensamento.
São organizados e práticos.
Fazem os projetos funcionarem.
Têm como parâmetros as idéias, os ideais,as regras e os princípios objetivos.

São: Executivos, estrategistas.
Função Inferior: Sentimento Introvertido.


3. Sentimento Introvertido:

São difíceis de serem compreendidos, pois seu exterior pouco revela.
Dão a impressão de não possuírem nenhum sentimento.
São pessoas reservadas e de difícil acesso.
Têm aparência de autoridade.
Evitam festas e aglomerados, pois sua função avaliadora do sentimento paralisa-se quando muitas coisas ocorrem ao mesmo tempo.
Podem parecer frios ou indiferentes.

São: Artistas de uma forma geral.
Função inferior: Pensamento Extrovertido


4. Sentimento Extrovertido:

Procuram relações harmoniosas com o ambiente.
São orientados pelos dados objetivos.
Não precisam pensar se algo ou alguém lhes importa; sabem.
O pensamento está subordinado ao sentimento.
São vulneráveis ao objeto amado.
Fazem amizades rapidamente, pois têm boa conversa.
São: Relações públicas e atividades afim
.Função Inferior: Pensamento Introvertido.


5. Sensação Introvertida:

São guiados pela intensidade da sensação subjetiva.
Pouco capazes da compreensão objetiva.
Tendem a recuar do mundo exterior e seus problemas.
Há uma ruptura entre a consciência e o corpo físico.
Têm pouca capacidade racional de julgamento para classificar coisas.
Não compreendem a si próprios.


São: Aqueles que têm fantasias proféticas sombrias.
Função Inferior: Intuição Extrovertida.


6. Sensação Extrovertida:

Têm percepção dos fatos bem desenvolvida.
Suas reações dependem do próprio objeto.
Procuram pessoas ou situações que provoquem fortes sensações.
O amor depende do atrativo físico da pessoa amada.
Têm bom gosto estético.
Não esquecem compromissos e são pontuais.
Adoram festas, esportes, comitês.

São: Atletas, Profissionais da moda, Homens de negócio, etc.
Função Inferior: Intuição Introvertida.


7. Intuição Introvertida:

Dirigem-se para os conteúdos do inconsciente.
Não se comunicam bem e são mal compreendidos.
São confusos, perdendo-se facilmente.
Esquecem compromissos e são desorganizados.
Têm vaga noção do seu próprio corpo físico.
Possuem uma misteriosa capacidade de pressentir o futuro.

São: Videntes, Profetas, Artistas, Xamãs.
Função Inferior: Sensação Extrovertida.


8. Intuição extrovertida:

Têm grande capacidade de percepção.
Vêem através da camada externa.
Estão sempre à espreita de novas oportunidades.
Dão pouca atenção ao corpo, não percebendo quando estão cansados ou famintos. Sentem-se prisioneiros de situações estáveis.

São: Empresários inovadores, capitães de indústria, corretores de valores, estadistas.
Função Inferior: Sensação Introvertida.


Aplicações:

Na Clínica: Usados para o conhecimento do paciente, não no sentido de rotulá-lo, mas para conhecer melhor como ele atua em relação aos mundos externo e interno, e ter acesso ao seu inconsciente, sem violentá-lo na sua função inferior. Também, quando do aconselhamento psicológico, nos auxiliará no entendimento das dificuldades de adaptação do indivíduo nos diversos setores de sua vida e, nos seus relacionamentos. Já na terapia de casais, o conhecimento dos tipos dos parceiros nos ajuda a compreender a origem de seus conflitos ,no relacionamento, permitindo-nos uma melhor análise do processo transferencial em jogo.

Na Indústria e no comércio: No sentido de conhecer melhor o funcionário adaptando-os às atividades adequadas ao seu tipo psicológico. É também um instrumento de identificação da origem de conflitos dos diversos grupos de trabalho, podendo nos oferecer propostas para as soluções dos mesmos.

Na Educação: Para permitir um planejamento educacional que procure atender melhor às necessidades de conhecimento da comunidade onde a escola está inserida, bem como de seu corpo discente e doscente. Na Orientação Vocacional e Profissional podemos utilizá-los para orientar o indivíduo à profissão que mais tenha à ver com o seu tipo psicológico.

Na Área Social: Para o entendimento dos vários perfis das instituições e dos movimentos e interações dos grupos sociais. Auxilia também na mediação entre os interesses de partes conflitantes.


Bibliografia:

LESSA, Elvina Maria Coelho Maciel. Cooperação e Complementariedade em Equipes de Trabalho. Estudo com Tipos Psicológicos de Jung. Resumo da Tese de doutorado. RJ. 2002. Disponível em: Acesso: julho de 2007.

PATROCINIO, José A.; BARCAUI, André B.; TEIXEIRA, Ricardo F. Modelo Referencial para Escolha de Profissionais Baseado na Tipologia de Jung aplicado às Organizações. Disponível em: Acesso: julho de 2007.

SHARP, Daryl. Tipos de Personalidade: o modelo tipológico de Jung. São Paulo: Cultrix, 1991.

ZACHARIAS, José Jorge de Morais. Os Tipos Humanos. 2ª ed. São Paulo: Paulus, 2006.

Texto: A teoria dos tipos psicológicos Junguianos e suas semelhanças com os tipos constitucionais Coreanos. Disponível em: Acesso: julho de 2007.

6 comentários:

  1. Na minha opinião o texto foi escrito apenas para profissionais da área de psicologia, o que achei uma pena, pois poderia auxiliar e esclarecer outras pessoas.

    ResponderExcluir
  2. Está bem explícito, mas como complemento sugeriria uma abordagem da tipologia que já foi avançada por Elias/Mary Ennis

    ResponderExcluir
  3. excelente, se considerarmos a simplicidade dos termos e a didática. Considerei muitíssimo bom pela objetividade. Se possível, incluam estudos de casos.

    ResponderExcluir
  4. BOM E DIRETO. ESTUDO OBJETIVO , MAS ENXUTO.

    ResponderExcluir
  5. muito bom pois ajuda a compeender melhor algumas leituras do mestre jung, obrigada othelo. salvador BA faculdade Ruy Barbosa

    ResponderExcluir